Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Noticias Destaques do Plenário
Início do conteúdo da página

Projeto quer que hospitais publiquem portaria que proíbe exigência de depósito prévio de tratamento de pacientes

Publicado em Segunda, 04 de Abril de 2022, 17h11 | Voltar à página anterior

O parlamento municipal aprovou na sessão do dia 29/03 o Projeto de Lei nº 165/2021, de autoria do vereador Israel Miquinha (PT), que obriga estabelecimentos hospitalares do município a darem publicidade ao art. 1° da Resolução Normativa n° 44/03, da Agência Nacional de Saúde, que proíbe a cobrança adiantada de tratamento de pacientes.

Conforme explicou o parlamentar, em junho de 2003 a referida resolução passou a dispor sobre a proibição de exigir depósito prévio quando da internação de pacientes ou a prática de qualquer outro procedimento. A norma, dirigida aos hospitais que possuem contrato com planos de saúde, não permite depósito de qualquer natureza, nota promissória ou quaisquer outros títulos de crédito na entrada do paciente ao estabelecimento hospitalar, em casos de urgência ou emergência.

“O projeto tem como objetivo resguardar o interesse do paciente que se encontrar em estado de emergência ou urgência e precisar passar por algum procedimento clínico”, enfatiza Israel Miquinha, adicionando que a fixação dessa norma deverá ser em local visível ao público interessado, obrigatoriamente em pronto socorro ou setor de internação, quando houver.

Segundo o vereador, o usuário que observar o não cumprimento dessa lei deverá denunciar a situação ao Procon, para que este tome as providências legalmente cabíveis.

Emenda modificativa
O parlamentar apresentou ainda uma emenda modificativa ao projeto, que altera certos pontos do texto. Com a alteração, o alcance do projeto não ficará restrito tão somente aos estabelecimentos de saúde credenciados junto aos planos de saúde, passando a ter abrangência para todos os estabelecimentos de saúde.

As duas proposições foram aprovadas por unanimidade em plenário e encaminhadas para eventual sanção do prefeito municipal.

Texto: Waldyr Silva / Fotos: Felipe Borges e Internet / AscomLeg2022

Fim do conteúdo da página